Como integrar a TI ao planejamento estratégico de sua empresa?

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Integrar TI e Planejamento Estratégico: Essa é uma questão que muitas empresas ainda buscam a resposta. E aquelas que encontraram conseguiram dar um largo passo à frente de suas concorrentes, independente dos mercados em que atuam.

É válido dizer que o planejamento estratégico é o pilar principal para o sucesso de uma organização, e que sem ele, é impossível sobreviver ao mercado onde a competitividade é extremamente acirrada. É exatamente nele que a empresa define qual o objetivo principal, o caminho a ser seguido e quais os recursos que ela precisará para conseguir alcançar. E dentro dessas métricas do plano empresarial, são observadas as oportunidades nas quais podem ser exploradas, as ameaças que terá de evitar, a força que consegue manter à frente da concorrência, e a fraqueza, que pode mantê-la atrás.

A Tecnologia da Informação é um setor que veio auxiliar neste processo, mas no decorrer dos anos e desenvolvimento do mercado, tomou proporções gigantescas e hoje tem um grande poder decisório na maioria das organizações. Podemos dizer que a visão que tínhamos de um setor de “Suporte às Operações” já é algo passado e que a TI de hoje pode influenciar de maneira estratégica e em qualquer plano de negócio.

Mas como é possível integralizar a Tecnologia com o planejamento estratégico de um negócio a fim de aperfeiçoar seus processos e maximizar toda a sua potencialidade? Confira a seguir!

Ferramentas de Business Intelligence: tomadas de decisões mais assertivas no planejamento estratégico

Business Intelligence é o processo de coleta, análise e distribuição de dados para melhorar a decisão de negócios, que leva a informação a um número bem maior de usuários dentro da corporação. Sua principal finalidade é modelar os dados para obter informações, de forma que diferencie as ações das empresas e essas consigam ser inovadoras.

Essas ferramentas podem auxiliar as organizações em diversas áreas: fornecendo sentido ao negócio, medindo o desempenho, melhorando o relacionamento com terceiros e criando uma oportunidade de receitas. Podemos citar como exemplos uma gestão eletrônica de documentos (GED), Workgroups, Workflows, Web Services, etc.

Desenvolvimento da maturidade do TI: de postura reativa para preventiva e proativa

O caso mais comum, mesmo em grandes organizações, é a da TI reativa. Neste cenário a TI só apaga incêndios e resolve os problemas do dia-a-dia. Os problemas só são descobertos quando são comunicados da ocorrência, pois não há uma antecipação da área de tecnologia para planejamentos com o intuito de evitar este tipo de problema. As reclamações mais comuns são operacionais, por exemplo, indisponibilidade de serviços de Internet, sistemas lentos e aplicações que pararam de funcionar.

Porém, o maior problema é que o próprio cliente percebe as falhas antes da empresa como, por exemplo, erros em algum processo de compra, um atendimento online indisponível e disparidade de dados na consulta de informações. Com isso, ocorre a migração do cliente para a concorrência sem que a companhia tenha consentimento da situação.

A adoção de uma postura preventiva traz um cenário bem melhor que o anterior, a TI já consegue se antecipar em relação à alguns problemas e descobrir a sua existência antes que os usuários comuniquem. Claramente, ainda não é o cenário ideal para uma organização que visualiza a integração da TI ao planejamento estratégico, mas já fornece uma estrutura mais competitiva para que a empresa possa prestar melhores serviços e conseguir reter os seus clientes.

Ao atingir a maturidade para assumir a postura de uma TI proativa, podemos considerar que esse seja o cenário ideal, mas pouquíssimas organizações estão neste nível. Além de agir preventivamente na resolução dos incidentes antes que eles aconteçam, a TI fornece às áreas de negócios informações valiosas sobre todos os processos da empresa.

Ou seja, é a integração de todas as áreas através da tecnologia com o intuito de melhorar a continuidade dos negócios e auxiliar para um planejamento mais estratégico, alcançando resultados mais satisfatórios.

Para que esses cenários sejam transformados, é preciso promover uma mudança de cultura a fim de colocar a tecnologia como prioridade do negócio.

Assim como toda mudança, leva um determinado período de tempo e adoção de novos paradigmas para que essa cultura tenha continuidade dentro do âmbito empresarial, mas os resultados são compensadores e podem deixar a companhia em destaque perante a concorrência.

Considerações Finais

As empresas não podem adiar a necessidade de compreender e aprender a aproveitar os benefícios da TI em suas atividades. Utilizar a tecnologia empresarial sem planejamento é um risco que a organização não deve correr, pois o seu uso crescente, ao mesmo tempo em que potencializa a capacidade das organizações em obter, manter ou combater vantagens competitivas, também eleva os riscos de gestão inerentes a qualquer tipo de decisão e ação.

Planejar estrategicamente e integralizar as tecnologias uma organização significa definir um método eficaz de utilização dos recursos disponíveis visando atingir um posicionamento cobiçado. Ou seja, com uma estratégia bem estruturada e recursos que atendam às necessidades, a companhia conseguirá alcançar seus objetivos com mais facilidade e de maneira coerente.

Podemos concluir que a integração da estratégia de área de TI no planejamento estratégico é um desafio e tanto. A importância da tecnologia para os negócios é um fenômeno recente e cada empresa deve buscar a melhor forma de resolver esta questão de acordo com suas necessidades. O indicado é que a questão do emprego da TI no negócio seja inserida em primeiro lugar no planejamento estratégico.

Conforme vimos, integralizar o planejamento estratégico com a tecnologia que a empresa dispõe requer muito mais esforço e conhecimento do que muitos pensam, é necessário o amadurecimento dos posicionamentos das áreas, mudanças de cultura, criação de novos métodos de execução de trabalho e afins. Entretanto, quando bem elaborado, resultam em muitos benefícios que podem ser essenciais para o sucesso e desenvolvimento sustentável de uma organização.

E então, você precisa de ajuda para desenvolver o planejamento estratégico de sua empresa integrado com as tecnologias existentes em seu ambiente de TI? Fale com a Unirede e solicite o apoio do nosso time de especialistas: https://www.unirede.net/contato/

Assine a nossa Newsletter!

Quer saber de próximos treinamentos, notícias, publicações, webinars e também sobre eventos da Unirede? Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de todas as novidades.

Você pode gostar também…

De assistentes a influencers virtuais

De assistentes a influencers virtuais

De assistentes a influencers digitais: as vantagens de adotar personagens humanizados totalmente digitais. As assistentes virtuais como, a Siri da Apple, a Alexa da Amazon e a Google Assistent já são figurinhas carimbadas na interação com inteligência artificiais no...

Omnichannel em tempos de COVID-19

Omnichannel em tempos de COVID-19

Já escrevi no passado sobre o que é omnichannel, o que eu não sabia na época é que estaríamos em 2020 passando pela pandemia que está acabando com vidas, economias e negócios. O COVID-19 está nos colocando em uma situação totalmente nova, onde não existem manuais para...

Transformação Digital, o que é?

Transformação Digital, o que é?

Me recordo claramente de ter escutado pela primeira vez o termo “Transformação Digital” em 2016, durante o evento IDC Directions em Portugal. Recordo do Gabriel Coimbra, Country Manager do IDC em Portugal falando sobre a maturidade das empresas em suas Transformações...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest